Radiação de Fukushima contamina o Oceano Pacífico e segue adiante

Em 2011, um tremor de terra, que se acredita tenha sido uma réplica do terremoto de 2010, no Chile, criou um tsunami que causou o colapso e o vazamento de radiaçaão na usina nuclear da TEPCO em Fukushima, Japão.

 

Por Redação, com Radioshiga – de Tóquio

 

“O desastre nuclear contaminou o maior oceano do mundo em apenas 5 anos e continua despejando 300 toneladas de material radioativo por dia”, afirma o portal japonês Radioshiga. Segundo o editor-chefe da publicação, Prof. Anderson Yoshihara, “a maioria das pessoas diria que foi o desastre nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, foi o maior de todos os tempos, mas estariam errados”.

 

Leia, adiante, o artigo sobre a radiação de Fukushima:

 

Em 2011, um tremor de terra, que acredita-se tenha sido uma réplica do terremoto de 2010 no Chile, criou um tsunami. A onda causou o colapso na usina nuclear da TEPCO em Fukushima, Japão.

 

Dados da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), dos EUA, medem a radiação de Fukushima

 

Três reatores nucleares derreteram e o que aconteceu em seguida foi a maior liberação de radiação na água, na história do mundo. Durante os  três meses seguintes, os produtos químicos radioativos, alguns em quantidades ainda maiores do que Chernobyl, vazaram. Seguiram direto para o Oceano Pacífico.

No entanto, os números podem ser, realmente, muito maiores do que as estimativas oficiais japonesas. Os dados foram comprovados por cientistas internacionais, nos últimos anos.

 

Radiação e temperatura

Se isso não fosse ruim o suficiente, Fukushima continua a vazar espantosas 300 toneladas de resíduos radioativos no Oceano Pacífico. Por dia. E continuará a vazar radiação, indefinidamente, pois a fonte do vazamento não pode ser selada. Está inacessível a seres humanos e robôs, devido aos altos níveis de radiação e temperatura.

Técnicos não tem acesso a locais onde ainda há vazamento de radiação em Fukushima, possivelmente, em equipamentos da GE

Então, não seria nenhuma surpresa que Fukushima tenha contaminado todo o Oceano Pacífico, em apenas cinco anos. Este poderia ser, facilmente, o pior desastre ambiental da história humana, embora quase nunca abordado por políticos, cientistas ou imprensa.

Interessante notar que a TEPCO é uma subsidiária da General Electric (também conhecida como GE). Trata-se de uma das maiores empresas do mundo, que tem um considerável controle sobre várias corporações de notícias e políticos.

Isso poderia explicar a falta de cobertura de notícias que Fukushima recebeu nos últimos cinco anos? Há também evidências de que a GE sabia sobre o mau estado dos reatores, por décadas, e não fez nada. Isto levou 1,4 mil cidadãos japoneses a processar a GE por seu papel no desastre nuclear de Fukushima.

 

Radiação no Canadá

Mesmo que não se possa ver a radiação, em si, algumas partes da costa ocidental da América do Norte estão sentindo os efeitos através dos anos.

Não muito tempo depois de Fukushima, peixes no Canadá começaram a sangrar pelas brânquias, bocas e olhos. Esta “doença” tem sido ignorada pelo governo e tem dizimado populações de peixes nativos, incluindo o arenque do Pacífico Norte.

Em outra parte no oeste do Canadá, cientistas independentes mediram um aumento de 300% no nível de radiação. Segundo eles, a quantidade de radiação no Oceano Pacífico está aumentando a cada ano. Porque é que esta notícia esta sendo ignorada pela grande mídia? Poderia ter algo a ver com o fato de que os governos dos EUA e Canadá já proibiram seus cidadãos de falar sobre Fukushima pois “as pessoas poderiam entrar em pânico”.

Mais ao sul, no Estado do Oregon, EUA, estrelas do mar começaram a perder as pernas e depois se desintegrarem completamente, quando a radiação de Fukushima chegou, em 2013.

 

Fukushima surpreende

 

Agora, as mortes estão ocorrendo em quantidades recordes, colocando todo o ecossistema oceânico nessa área em risco.

No entanto, funcionários do governo dizem que Fukushima não é o culpado, embora a radiação no atum Oregon tenha triplicado após o incidente.

Em 2014, a radiação nas praias da Califórnia aumentaram em 500%. Em resposta, os funcionários do governo disseram que a radiação vinha de uma fonte misteriosa e “desconhecida” e não era motivo de preocupação.

No entanto, Fukushima não terá um impacto maior apenas na costa oeste da América do Norte, cientistas estão dizendo que o Oceano Pacífico, atualmente, está de 5 a 10 vezes mais radioativo do que quando o governo dos EUA detonaram inúmeras bombas nucleares no Pacífico, durante e após a Segunda Guerra Mundial.

Se não se começar a falar sobre Fukushima em breve, todos nós poderemos ter surpresas desagradáveis.

 

Fonte: Correio do Brasil

Contatos

Estamos de braços abertos a novas parcerias, seja um amig@ da Amjus.

São Miguel do Gostoso/RN - Brasil

 

Nossas Redes

Estamos nas redes sociais!